Objetivo

Aumentar a produção, o emprego e a massa salarial, por meio do apoio financeiro para capital de giro.

Vigência

Até 31.12.2014.

Clientes

Podem ser clientes do BNDES Progeren as seguintes empresas:

  • Micro e pequenas empresas dos seguintes setores, com seus respectivos códigos na Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE do IBGELink para um novo site:
    • Indústria de transformação (Seção C);
    • Indústria extrativa de petróleo e gás natural (B06);
    • Extração de minerais metálicos, exceto metais preciosos e radioativos (B0710-3, B0721-9, B0722-7, B0723-5 e B0729-4); e
    • Atividades de apoio à extração de minerais (B09);
    • Cultivo de maçãs (A01.33-4/07);
    • Criação de suínos (A01.54-7);
    • Criação de aves (A01.55-5);
    • Aquicultura (A032); e
    • Transporte rodoviário de cargas H49.3).
  • Médias empresas dos seguintes setores, com seus respectivos códigos na CNAE do IBGE:
    • Indústria de transformação (Seção C);
    • Cultivo de maçãs (A01.33-4/07);
    • Criação de suínos (A01.54-7);
    • Criação de aves (A01.55-5);
    • Aquicultura (A032); e
    • Transporte rodoviário de cargas (H493).
  • As micro, pequenas e médias empresas que não se enquadram nos setores citados anteriormente, mas estão localizadas em municípios abrangidos pela área de atuação do Fundo Constitucional do Norte (FNO) ou do Fundo Constitucional do Nordeste (FNE), também podem ser clientes do BNDES Progeren. Conheça as áreas de atuação dos fundosLink para um novo site.
Observação: Podem também ser clientes os empresários individuais, desde que exerçam atividade produtiva enquadrada no programa e estejam inscritos no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) e no Registro Público de Empresas Mercantis (RPEM); sociedades cooperativas; e empresas individuais de responsabilidade limitada inscritas no RPEM.

Saiba os critérios usados pelo BNDES para classificar as empresas como MPMEs.

Formas de apoio

Indireta automática.

Saiba mais sobre as formas de apoio

Condições financeiras

Taxa de Juros 

Custo Financeiro + Remuneração Básica do BNDES + Remuneração da Instituição Financeira Credenciada

Apoio indireto
(operação feita por meio de instituição financeira credenciada)

Taxa de juros = Custo financeiro + Remuneração básica do BNDES + Taxa de intermediação financeira + Remuneração da instituição financeira credenciada (entenda as parcelas)

 

Descrição da tabela
Custo financeiro Selic
Remuneração
básica do BNDES

0,4% ao ano (a.a.) para para micro e pequenas empresas

ou

1,3% a.a. para médias empresas

Taxa de intermediação financeira não há para micro, pequenas e médias empresas (MPMEs)
Remuneração da instituição credenciada Negociada entre a instituição e o cliente

Veja a classificação de porte das empresas.

Observação: o custo financeiro será Cesta nas operações com empresas sediadas no País, cujo controle seja exercido, direta ou indiretamente, por pessoa física ou jurídica domiciliada ou sediada no exterior, destinado a investimentos de qualquer natureza em atividade econômica não especificada no  Decreto nº 2.233/97Link para um novo site, de 23.05.1997.

Consulte também outras tarifas cobradas nos contratos de financiamento do BNDES.

Limite de financiamento

Até 20% da receita operacional bruta (ROB) do cliente.

Para cálculo do limite do financiamento, será considerada apenas a ROB anual – ou anualizada, na hipótese de início de atividades no próprio ano –  do cliente. Não será aceita a ROB consolidada do grupo econômico a que ele pertença, embora esta última seja adotada para determinar o porte da empresa.

Prazo total

O prazo total das operações será de até 3 anos, incluído o prazo de carência de 1 a 12 meses.

Garantias

Negociadas entre as instituições financeiras credenciadas e o cliente. Para utilização do BNDES FGI, consulte suas condições específicas.

Não será admitida como garantia a constituição de penhor de direitos creditórios decorrentes de aplicação financeira.

Encaminhamento

Os interessados devem procurar uma instituição financeira credenciada ao BNDES de sua preferência, que informará qual a documentação necessária, analisará a possibilidade de concessão do crédito e negociará as garantias. Após a aprovação pela instituição, a operação será encaminhada para homologação e posterior liberação dos recursos pelo BNDES.

Veja também

Notícias