28/09/2012

• Operação dará suporte à expansão do projeto, com aumento da potência instalada

O BNDES aprovou suplementação de recursos no valor de R$ 2,32 bilhões para a implantação da Usina Hidrelétrica Jirau, localizada no Rio Madeira, no município de Porto Velho (RO). Os recursos serão utilizados também para a instalação do sistema de transmissão associado, que ligará a usina à estação coletora.

O crédito adicional dará suporte à expansão dos investimentos em Jirau, que passaram para R$ 15,7 bilhões, representando aumento de R$ 5,1 bilhões em relação ao orçamento original de R$ 10,5 bilhões.

Com os novos investimentos, Jirau terá aumento de 450 MW na potência instalada da usina, com a implantação de seis unidades geradoras adicionais (passando de 44 para 50 unidades) e capacidade total de 3.750 MW.

O recurso suplementar se soma ao financiamento de R$ 7,2 bilhões contratado pelo BNDES em 2009. O financiamento do BNDES equivale a 60,8% do investimento total do projeto.

O empréstimo suplementar será repassado na modalidade mista, seguindo o padrão da operação original, sendo 50% direta e 50% indireta, tendo como agentes financeiros Banco do Brasil, Caixa, Bradesco e Itaú BBA.

A UHE Jirau é o segundo maior projeto de geração de energia elétrica em construção no País e um dos mais importantes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do Governo Federal. Jirau consolida o potencial da Amazônia ocidental como alternativa viável do ponto de vista energético, econômico, social e ambiental para a expansão da oferta de energia.    

Em fase de construção e previsto para iniciar operação em janeiro de 2013, com o funcionamento da primeira unidade, o projeto envolve a geração de cerca de 23 mil empregos diretos, além de igual número de empregos indiretos. O atual cronograma antecipa a entrada em operação da última unidade da usina para março de 2015, antecipando também o cumprimento da meta de energia assegurada do empreendimento, de setembro de 2015 para maio de 2014.  

Além das obrigações socioambientais previstas no licenciamento ambiental, o empreendimento conta com investimentos sociais complementares no entorno do projeto. Da mesma forma, a usina contribuirá para o desenvolvimento e melhoria da infraestrutura no município de Porto Velho e no Estado de Rondônia, proporcionado principalmente pelos programas de compensação de impactos socioambientais.

O projeto da UHE Jirau também conta com componente ambiental inovador, ao abrir a alternativa de obtenção de receitas adicionais por meio da comercialização de créditos de carbono.

A Energia Sustentável do Brasil S.A., Sociedade de Propósito Específico (SPE) responsável pelo projeto, é controlada pelo Grupo GDF Suez, com participação de 50,1% no empreendimento. Os demais sócios são Chesf, Eletrosul, ambas do grupo Eletrobrás, e Camargo Corrêa.